Girlboss só contempla parte da jornada de Sophia Amoruso

girlboss netflix

 

Quando a Netflix decidiu adaptar a biografia de Sophia Amoruso, Girlboss, para uma série de TV já sabia que a narrativa teria ares controversos.

Assista ao trailer de Girlboss

Sophia é um dos nomes mais conhecidos da moda americana e conquistou o seu sucesso de maneira criativa – mesmo que, para muitos, com uma conduta questionável. Na história, a protagonista, interpretada por Britt Robertson, não consegue encontrar seu propósito e passa a ter uma vida sem muitas pretensões profissionais.

Sem o apoio dos pais, a personagem começa a vender roupas vintage – que encontra nos brechós de São Francisco – no site eBay. A experiência passa então a ser um projeto de carreira para Sophia, que funda a Nasty Gal. Em alguns anos, a empresa se torna uma das lojas virtuais mais reconhecidas entre as fashionistas.

Mais lançamentos da Netflix

O principal erro do seriado, no entanto, está em seu recorte. Mesmo que a cada episódio o telespectador seja avisado que a trama se baseia em relatos pessoais da autora sobre os acontecimentos, Girlboss cria uma imagem distorcida da jornada de Sophia.

Sim, a protagonista cresceu por seus próprios méritos. De roubar comida nas lixeiras da cidade, ela passou a comandar o seu próprio negócio – algo realmente almejado entre os jovens da Geração Y. Em seis anos de existência, a Nasty Gal vendeu mais de US$ 100 milhões em produtos, mas em 2016 decretou falência por má administração e responde na justiça por inúmeros processos trabalhistas.

girlboss netflix

Sophia cria império da moda vendendo roupas na internet

A sua criadora já havia se distanciado no controle da marca para dar mais atenção a sua carreira “pública”, o que culminou na venda do negócio para uma empresa inglesa no começo deste ano. E nenhuma dessas informações está presente na série.

No mais, é divertido acompanhar Britt no papel da jovem problemática e sem papas na língua, além de também presenciar o seu reencontro com Dean Norris (o pai de Sophia na trama), com quem trabalho em Under the Dome.

Netflix renova 13 Reasons Why para 2ª temporada

Julia Benvenuto
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e pós-graduada em Jornalismo Cultural pela FAAP. É autora da tese "A Revolução dos Losers: como o seriado americano Glee representa a juventude do século 21".

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

Newsletter do Pop Séries!Inscreva-se
+ +