House of Cards: Robin Wright protagoniza final intrigante após saída de Kevin Spacey

House of Cards: série é impedida de gravar na ONU 2
 

House of Cards levou um grande golpe no final do ano passado. O ator Kevin Spacey – que foi prestigiado como protagonista da série – foi acusado de assédio sexual, assumiu a culpa pelo corrido e foi demitido pela Netflix. Na época, a sexta temporada já estava sendo gravada e o processo foi interrompido para criar uma nova narrativa.

Assista ao promo da 6ª temporada de House of Cards 

A saída mais plausível encontrada foi a morte do Frank Underwood, sem que nenhuma nova imagem de Spacey fosse colocada no programa. Além disso, foi decretado o fim da atração com uma temporada de apenas oito episódios. House of Cards não merecia ser vítima desta péssima situação. Foi triste ver a primeira série original da Netflix envolvida na polêmica. Afinal de contas, a atração conquistou tantos fãs e promoveu discussões políticas importantes. Até mesmo rendeu grande reflexões com governos da atualidade. Ou alguém já se esqueceu de que o presidente Michel Temer já foi comparado à Underwood?

A sorte de House of Cards é que ela possui uma atriz que transcende a série. Robin Wright assumiu o comando da narrativa da mesma maneira que a sua personagem passou a ser a presidente dos EUA. O acaso também ajudou, uma vez que o desfecho do quinto ano mostrou Claire ocupando o lugar de seu marido na Casa Branca. A sexta temporada começou com significativas mudanças, mas manteve a sua linha original de intrigas e conspirações.

Acompanhe mais notícias de House of Cards 

house of cards 5 temporada

Doug (Michael Kelly) se sacrifica para proteger a memória de Frank Underwood

Claire se instaurou como uma presidente implacável que não aceitou receber chantagens de seu partido político ou de executivos bilionários. Com grande astúcia, ela elaborou sozinha a derrubada de todos os que ameaçavam a sua presidência. Mais do que isso: promoveu uma discussão sobre o papel da mulher na política e inovou ao ter somente conselheiras em seu gabinete.

A protagonista também rompeu a quarta parede da atuação e passou a conversar com os espectadores. Algumas passagens soaram forçadas demais, deixando seus comentários mais gélidos do irônicos. Spacey tinha um carisma e um sarcasmo muito peculiar nessas cenas de interação com a audiência. Entretanto, nada foi capaz de ofuscar o brilhantismo de Wright.

 House of Cards: vídeo mostra túmulo de Frank Underwood

Algumas situações intrigantes também foram reservadas, como a gravidez de Claire e o relacionamento dúbio que ela manteve com Doug (Michael Kelly). Aliás, o cão de guarda de Underwood se manteve fiel e até se sacrificou para que a imagem de seu chefe não fosse destruída. No desfecho, a presidente se consagrou como a comandante gélida e destemida que toda audiência esperava ver. O importante é que House of Cards contou com uma excelente produção que não desistiu de entregar um final plausível mesmo diante do caos.

House of Cards 6ª temporada

Amanda Negrini
Jornalista formada pela Universidade Metodista de São Paulo e pós-graduada em Jornalismo Cultural pela FAAP. Especialista em cultura pop, é autora da tese "A Evolução das cantoras Pop Americanas: a criação de Madonna e a inovação de Lady Gaga".

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *