Com estreia para 28 de março, Tim Burton cria nova versão para a história de 'Dumbo' » Pop Séries
CinemaFantasia

Com estreia para 28 de março, Tim Burton cria nova versão para a história de ‘Dumbo’

Por 27 de março de 2019 Sem Comentários

Dumbo é, talvez, um dos filmes mais tristes da Disney. A história do pequeno elefante que perde a mãe e passa a viver a sua vida no circo ficou conhecida mundialmente.

A animação estreou em 1941 e até hoje ganha novas versões na TV. A adaptação para o cinema, no entanto, cria um desfecho alternativo para a jornada do pequeno animal. Tim Burton, no comando da direção do longa-metragem, faz o que sabe melhor: apresenta um mundo fantástico, de cores e experiências inesquecíveis.

Com estreia para maio, Disney divulga trailer do live-action de ‘Aladdin’

Na história, Holt Farrier (Colin Farrell) é uma ex-estrela do circo que retorna da guerra com grandes traumas físicos e psicológicos. Com os seus dois filhos, ele fica encarregado de cuidar dos animais do local. Mas o nascimento de um elefante com orelhas gigantes irá testar a imaginação de todos no picadeiro. Afinal, o novo integrante do circo é capaz de voar.

Misturando cenas mágicas, o filme apresenta o telespectador uma jornada onde os sonhos se tornam realidade. Tudo é possível no mundo do circo! Dumbo, diferente da animação, não fala. Mas os seus olhos conseguem passar os sentimentos do animal, que inicia a missão de buscar a mãe, vendida para para outro empresário.

O elenco conta com a presença de Eva Green, como a trapezista Colette, Danny DeVito, como o dono do circo Medici, e Michael Keaton, como o vilão Vandemere.

Serviço de streaming da Disney trabalha em série de Monstros S.A.

No fim, o filme é vitorioso em criar uma narrativa fantástica e emocionante. As mudanças no roteiro são extremamente bem-vindas e ensinam as crianças a pensarem sobre o poder da amizade e do respeito ao próximo. Para os adultos fica a lição de que nunca é tarde para sonhar.

 

Julia Benvenuto

Julia Benvenuto

Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e pós-graduada em Jornalismo Cultural pela FAAP. É autora da tese "A Revolução dos Losers: como o seriado americano Glee representa a juventude do século 21".

Sem Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do POP SÉRIES. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O POP SÉRIES poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.