Skip to main content

Programa do Apple TV+ é protagonizado por Brie Larson

Brie Larson como você nunca viu antes. Essa é a promessa de Uma Questão de Química, a série limitada composta por oito episódios e estrelada e produzida pela talentosa vencedora do Oscar, conhecida por seus papéis marcantes em O Quarto de Jack e Capitã Marvel.

Na década de 1950, Elizabeth Zott (Brie Larson) é uma mulher com um sonho interrompido pela sociedade patriarcal da época. Sua carreira como cientista é abruptamente ameaçada quando ela é demitida de seu laboratório. No entanto, Elizabeth não desanima e aceita um emprego inusitado como apresentadora de um programa de culinária na TV.

A história, baseada em um livro homônimo, mescla ciência, a luta por igualdade social e um romance único. É também uma produção feminista mais que necessário nos dias de hoje.

Continua após a publicidade..

Confira a nossa conversa com Lee Eisenberg, produtor executivo, roteirista e showrunner, e Sarah Adina Smith, diretora dos dois primeiros episódios.

POP SÉRIES – Quais foram os desafios de adaptar o livro Uma Questão de Química para uma série de TV?

Lee Eisenberg – Acho que é um dos meus livros favoritos. Fiquei muito emocionado, surpreso com os movimentos da história e encantado com a escrita e o diálogo. Realmente, eu me apaixonei por Elizabeth Zott. Sempre houve uma reverência e um desejo de manter o máximo possível do livro. Nós realmente usávamos o livro na sala dos escritores quase como uma Bíblia. Estávamos sempre nos referindo a ele e extraindo linhas de diálogo, seções de descrição e tudo o que realmente ajudava na nossa escrita. Em minhas conversas iniciais com Bonnie Garmus, a romancista, ela entendeu perfeitamente que a adaptação de um romance para uma série limitada não será uma transcrição palavra por palavra do que ela criou. Ela ficou entusiasmada com a perspectiva dessas mudanças. As coisas foram evoluindo à medida que avançávamos. Às vezes, havia uma linha de diálogo que me inspirava a criar um novo enredo.

Leia mais:   Sugar: Colin Farrell retorna à TV em drama policial

* Como surgiu a inspiração para criar o programa de culinária de Elizabeth? O cenário rosa me lembrou muito a Julia Child.

Sarah Adina – Não acho que fizemos referência específica ou estávamos tentando imitar a Julia Child, mas acho que queríamos criar um cenário que parecesse realmente icônico, também o oposto do que a personalidade de Elizabeth realmente era. Era uma personalidade imposta a ela. Na verdade, foi a Brie Larson quem indicou a Cat Smith, nossa brilhante designer de produção. O primeiro projeto da Cat era parecido demais com a cozinha que Elizabeth gostaria de cozinhar, e precisava ser mais barulhento e ofensivo. Acho que foi a Brie que levou a Cat a dizer: “Tudo bem, então vamos deixar tudo rosa”, o que acho que foi a decisão certa. Porque assim você vê a justaposição de um químico mais reservado tendo que entrar em um cenário totalmente rosa e apresentar um show lá.

LE – Ele foi basicamente projetado por homens para ser a cozinha de fantasia de uma mulher. Mas Elizabeth é completamente prática, e as gavetas não abrem… Nada funcionava direito. Em algum momento, ela abre a janela e há apenas um pano de fundo. Realmente não é funcional. Não é para um cozinheiro de verdade. É ornamental, a fantasia de um homem do que uma mulher gostaria de ter.

uma questão de química

Cenário de Uma Questão de Química

* O programa trata de muitas coisas, amor, culinária, mas também aborda questões maiores e mais sistêmicas. A quantidade de assuntos que ele abrange é muito ambiciosa. Como unir tudo isso em oito episódios e garantir que todos eles tivessem o peso que mereciam?

Leia mais:   Sugar: Colin Farrell retorna à TV em drama policial

LE – Passamos um tempo enorme na sala dos roteiristas conversando sobre o que era fundamental e essencial para nós, além de fazer referência ao livro o tempo todo e realmente usá-lo como guia e dizer: “Bem, como o livro explorou isso? O que podemos fazer para complementá-lo ou encontrar nosso próprio caminho?”. Elizabeth está enfrentando muitas coisas em virtude de ser uma mulher em um campo predominantemente branco e dominado por homens, como é o caso da ciência. Estamos enfrentando muitas coisas pelo fato de sua melhor amiga ser Harriet, uma advogada negra que luta para salvar sua comunidade e enfrenta seu próprio obstáculo, que é a burocracia racista dos sistemas governamentais. Depois, à medida que a série evolui, queríamos que cada episódio fosse uma coisa própria, que declarasse, por exemplo, que este é o episódio sobre o luto. Este é o episódio em que Elizabeth encontra sua voz.

* Há um personagem muito especial que é o 6:30, o cachorro, e percebemos sua importância para a história depois de alguns episódios. Como foi trazer um cachorro para o set? E você acha que a presença dele tornou Elizabeth um pouco mais amigável?

SA – Acho que ele tornou todos mais amigáveis. Acho que há algo sobre os cães em geral, mas Gus [o nome do cachorro na vida real] em particular, que foi muito, muito especial. Acho que Brie e Lewis foram muito inteligentes em desenvolver seu próprio relacionamento pessoal com Gus para que esse relacionamento parecesse o mais real possível na tela. Mas eu diria que a pergunta por trás da sua pergunta é que Elizabeth Zott talvez não seja, no papel, a personagem mais simpática ou calorosa, e Calvin Evans também não é, a propósito, mas de alguma forma julgamos Elizabeth um pouco mais severamente por ser mulher. Mas devo dizer que acho que é aí que Brie e Lewis trazem sua mágica, porque cada um deles tem um espírito tão caloroso e radiante que você não pode deixar de gostar deles de certa forma. Mesmo quando são socialmente desajeitados e míopes em relação ao seu trabalho. Acho que nos sentimos atraídos por eles como membros da audiência.

Leia mais:   Sugar: Colin Farrell retorna à TV em drama policial

A estreia de Uma Questão de Química está marcada para a sexta-feira, 13 de outubro, no Apple TV+.

Organize sua maratona com o nosso Planner!