Crítica da 1ª temporada de Santa Clarita Diet
CríticaNetflix

Santa Clarita Diet: comédia brinca com humor negro

Por 9 de fevereiro de 2017 fevereiro 10th, 2017 Sem Comentários
santa clarita diet netflix

Zumbis sedentos por sangue não são novidade na TV mundial.

Sucessos de audiência, como The Walking Dead, provam que o gênero tem muito espaço para crescer neste meio e a Netflix soube aproveitar um projeto criativo e peculiar assinado por Victor Fresco (Meu Nome é Earl).

Assista ao trailer de Santa Clarita Diet

Santa Clarita Diet conta a história de Sheila Hammond (Drew Barrymore), uma corretora de seguros que um dia sofre um mal-estar repentino. A partir daí, ela não possui mais batimentos cardíacos, não sente dor e passa a sentir desejos incontroláveis por carne humana. O marido, Joel (Timothy Olyphant) tenta encontrar uma explicação para o caso, mas logo se torna cúmplice da mulher em seus assassinatos.

Com muita destreza, o seriado consegue imprimir um tom único ao tema e utilizar o humor negro como base para a narrativa. Assistir à mudança de comportamento de Sheila e a sua busca por alimento é extremamente divertido e nem mesmo as cenas de canibalismo – que mostram muitos pedaços de carne humana – chocam o telespectador.

serie drew barrymore

Sheila tenta descobrir como sobreviver sendo uma zumbi

Mais lançamentos da Netflix

Outros personagens complementam a trama, entre eles, a filha do casal, Abby (Liv Hewson), e o vizinho policial dos protagonistas, que passa a desconfiar da estranha movimentação na casa – papel de Ricardo Chavira.

A primeira temporada do seriado terminou com uma grande reviravolta. Há uma cura para a condição de Sheila, mas ela não é definitiva. Com o seu corpo se decompondo e o marido preso em um hospício, a protagonista terá que depositar toda a sua esperança em Abby e seu amigo nerd Eric Bemis.

Veja imagens de Punho de Ferro

Santa Clarita Diet definitivamente não é melhor produção da plataforma on-line e nem a mais rebuscada. Ela consegue, no entanto, preencher uma lacuna ainda pouco explorada para os amantes de comédia. Isso porque a principal motivação do roteiro não é causar risos instantâneos e nem promover piadas bobas. A série quer provar que há espaço para o sobrenatural nos sitcoms americanos. E esse deve ser um dos principais atrativos para público – sem contar, é claro, toda a matança.

 

Julia Benvenuto

Julia Benvenuto

Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e pós-graduada em Jornalismo Cultural pela FAAP. É autora da tese "A Revolução dos Losers: como o seriado americano Glee representa a juventude do século 21".

Sem Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do POP SÉRIES. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O POP SÉRIES poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.