Skip to main content

Super-Homem, Mulher-Maravilha e Hulk tiveram seus programas na TV

As histórias em quadrinhos começaram a ser produzidas a partir da década de 1930, principalmente, nos EUA. Essas publicações típicas de entretenimento não foram bem aceitas pelas famílias tradicionais, que consideravam o seu teor subversivo. Foi só com o aparecimento dos super-heróis, encabeçados pela DC Comics e pela Marvel, com o apoio de Stan Lee, que o modelo passou a ganhar prestígio e também a conquistar o interesse das emissoras americanas por adaptações na televisão.

Com o passar dos anos, os personagens heróicos adquiriram novos figurinos e aparatos tecnológicos para combater o crime, no entanto, sempre despertaram o sentimento patriótico de seus fãs – seja nas ruas barulhentas de Nova York ou de Gotham City. A fascinação pelos ídolos superpoderosos existe até hoje e este é o principal motivo para que seriados ligados ao tema obtenham índices satisfatórios de audiência. Smallville (2001-2011), por exemplo, ficou por onze temporadas no ar. Arrow (2013-2020), criou o seu próprio universo de super-heróis na televisão.

O Pop Séries! preparou uma seleção com cinco adaptações clássicas das histórias em quadrinhos que conquistaram gerações. Confira a seguir:

As Aventuras do Super-Homem (1951-1953)

Patrocinada pela marca de cereais Kellogg’s, As Aventuras do Super-Homem teve as primeiras temporadas filmadas em preto e branco e um total de 104 episódios exibidos.

Baseada nos quadrinhos do herói de 1938, a história se passava na cidade de Metrópolis e tinha como foco a luta do herói para combater o crime na cidade – mais especificamente gangsters, ladrões e alguns vilões dos gibis.

O homem de aço foi interpretado por George Reeves e sua famosa namorada, Lois Lane, por Phyllis Coates (Noel Neil assumiu o papel na segunda). A série ainda contou com personagens famosos nos quadrinhos, como o amigo de Clark Kant, Jimmy Olsen (Jack Larson). Em 2001, o seriado Smallville contou a história da juventude do herói e teve sua última temporada exibida em outubro de 2011.

Leia mais:   Todo Mundo Odeia o Chris: onde está o elenco da série hoje

Batman & Robin (1966-1968)

Após um período de queda nas vendas dos gibis, criados por Bob Kane e Willian Finger na década de 30, Batman & Robin voltaram a fazer sucesso quando foram transformados em série de TV.

A ABC, em parceria com a 20th Century Fox, decidiu realizar a produção para competir com o programa Os Monstros. O canal apostou na empreitada depois que o executivo da emissora, Douglas Cramer, percebeu a empolgação do seu amigo e dono da Playboy, Hugh Heffner, e de suas coelhinhas com o episódio piloto. Em 1966,  a série foi estrelada por Adam West (Batman) e Burt Ward (Robin).

A atração, que teve fãs de todas as idades, contou com vilões mais famosos como: Coringa (Cesar Romero),  Pinguim (Burgess Meredith) e a Mulher-Gato (Julie Newmar e Eartha Kitt).

A Mulher-Maravilha (1975-1979)

Também baseada em uma série em quadrinhos, A Mulher-Maravilha durou apenas três temporadas. A primeira exibida pela ABC e as seguintes pela CBS, que impediu que o seriado fosse cancelado logo após seu primeiro ano de exibição.

A história, narrada no período da 2ª Guerra Mundial, começa quando um piloto ferido cai na ilha que abriga o reino das amazonas. Lá, ele revela as suas salvadoras que o mundo está em guerra. É a partir daí que Diana (Lynda Carter) vai para os EUA ajudar no combate das forças do mal. Em 2011, a NBC anunciou a produção de uma nova série, não deu certo.

The Amazing Spider-Man (1977-1979)

Uma das primeiras versões do super-herói para a televisão foi uma grande decepção para os fãs do aracnídeo. Apesar do bom elenco escolhido pela CBS, o roteiro foi considerado fraco e os personagem mal adaptados.

Além disso, a desaprovação do próprio criador do personagem, Stan Lee, dificultou o desempenho da série. Mesmo assim, The Amazing Spider-Man esteve entre as 19 séries mais vistas dos Estados Unidos entre 1977 a 1978.

Leia mais:   Quem eram as criaturas de 'O Elo Perdido'?

O editor do Clarim Diário, John Jonas Jameson, foi interpretado por David White (A Feiticeira) e Nicholas Hammond estrelou a atração como Peter Park. Já a maior parte dos outros personagens presentes nos quadrinhos foi reduzida a pequenas aparições.

O Incrível Hulk (1977-1982)

Adaptação do quadrinho homônimo, o programa narra as aventuras do Doutor David Banner depois de sua exposição a uma alta dose de raios gamas, que o levava a se transformar em um monstro quando ameaçado.

Apesar de não ser muito fiel ao original, a série foi uma das adaptações mais bem sucedidas no formato. Na versão para TV, Hulk não era invulnerável a tiros e sempre esmagava os revólveres usados por seus inimigos. O Doutor Banner era interpretado por Bill Bixby e o “monstruoso” Hulk por Lou Ferrigno.

Shazam! (1974-1976)

Antes de ganhar o nome de Shazam, o herói era conhecido como Capitão Marvel. Ele foi um dos primeiros super-heróis a ter a suas histórias adaptadas para as telas. As Aventuras do Capitão Marvel estreou na TV americana em dia 28 de março de 1941 e foi protagonizado pelo ator Tom Tyler. Ao mesmo tempo, Frank Coghlan Jr viveu o garoto Billy Batson.

A DC Comics adquiriu os direitos do Capitão Marvel entre 1953, mas deixou o personagem na geladeira até 1972. Porém, em 1961 a Marvel nasceu e registrou um personagem com o nome da empresa. A DC então foi obrigada então a modificá-lo para Shazam. Essencialmente, o herói manteve todas as suas características, com o tom leve e divertido para atrair a garotada.

O seriado Shazam! acompanhava a vida de Billy Batson, um jovem que invocava os poderes dos deuses mitológicos para salvar o planeta Terra.

Ao todo, o programa contou com 28 episódios e foi exibido entre 1974 e 1976. Eles também lançaram a personagem Isis, uma super-heroína egípcia antiga ressuscitada no corpo de uma professora.

Leia mais:   Mad About You: onde está o elenco da série hoje

Superboy (1988-1992)

As Aventuras do Super-Homem foi um tremendo sucesso na década de 1950 e abriu espaço para que novas histórias sobre o habitante de Krypton fossem exploradas.

Com exibição de 1988 a 1992, e quatro temporadas, Superboy foi mais uma das criações produtores executivos Ilya e Alexander Salkind  os responsáveis pelos três primeiros filmes do Super-Homem e da Supergirl, em 1984 .

O programa foi lançado juntamente com uma versão em desenho animado das histórias de Clark Kent, na CBS, para comemorar o aniversário de 50 anos personagem Superman naquele ano.

O Super-Homem foi interpretado por dois atores diferentes ao longo da trama: John Haymes Newton participou somente da primeira temporada. A partir da segunda, ele foi substituído pelo ator Gerard Christopher, que continuou o papel durante o restante da série.

The Flash (1990)

Antes de Grant Gustin vestir os trajes do homem mais rápido do mundo, Barry Allen já havia ganhado sua própria série de TV na década de 1990.

Assim como nos quadrinhos, Barry Allen é um cientista forense que trabalha para a polícia de Central City quando é atingido por um raio em seu laboratório. Ele desenvolve a supervelocidade e cria uma identidade de super-herói para combater o crime. A cientista pesquisadora Dra. Tina McGee trabalha no S.T.A.R. Labs e ajuda Barry a combater o crime enquanto tenta entender como seus poderes estão se desenvolvendo.

Barry tenta manter uma vida privada e tenta esconder sua realidade de seus colegas, de seu chefe, o tenente Garfield, e de seu melhor amigo, Julio Mendez.

O projeto, no entanto, foi muito ambicioso para época em um momento que os quadrinhos eram mais populares que as séries de TV.

Veja mais programas da nossa playlist dos super-heróis da TV

Organize sua maratona com o nosso Planner!

2 Comentários
Novos
Antigos Mais votados
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários
eron
eron
10 anos atrás

Antigamente tinha bons seriados,digo isso porque sou dos tempos dos antigos,os seriados hoje em dia me deixa a desejar,sem sal sem açucar,são muitos ruim,pobre mundos da televisão.

eron
eron
10 anos atrás

Antigamente tinha bons seriados,digo isso porque sou dos tempos dos antigos,os seriados hoje em dia me deixa a desejar,sem sal sem açucar,são muitos ruim,pobre mundos da televisão.