Skip to main content

Reinicialização é assinada pelo diretor Matt Reeves

 

Fãs da DC pode respirar aliviados. Robert Pattinson é a escolha perfeita para a nova versão de Batman, do diretor Matt Reeves (A Origem), que chega aos cinemas brasileiros em 3 de março.

Depois de uma grande decepção do público com Ben Affleck protagonizado o Cavaleiro das Trevas nos filmes da DC, o estúdio volta às origens ao trazer uma interpretação mais “pé no chão” do personagem, ou melhor um noir investigativo, sombrio e dramático, sem grandes aparatos tecnológicos, trajes futuristas ou ameaças extraterrestres. Você não verá o Super-Homem voando por aí, ou qualquer referência a outros super-heróis, mas sim uma temática que parece muito com Batman Begins, com Christian Bale (que aliás ainda é meu Batman favorito).

Robert Pattinson, no entanto, é uma grande surpresa no papel de Bruce Wayne. Conhecido pela franquia Crepúsculo, o ator vinha trabalhando em trilhar um caminho diferente no cinema, atuando em filmes independentes, e longe de grandes produções. A sua escolha para o papel é certeira ao retratar um Batman que ainda não é o herói que conhecemos, que trilha o seu caminho de autodescoberta, até revelar o que realmente aconteceu com os seus pais.

Para fãs, há todos os elementos que conhecemos das melhores histórias das HQs, embora o longa-metragem não tenha a pretensão de segui-los à risca. Vemos o assassinato de Thomas Wayne, a relação paterna entre Bruce e Alfred Pennyworth (Andy Serkis), a corrupção de Gotham e a relação de amizade entre o herói e Jim Gordon (Jeffrey Wright), ainda um policial no início da história.

  'Guerra Civil' mostra realidade dos correspondentes de guerra em um mundo polarizado

Em seu filme, Matt Reeves trabalha no roteiro de construção do Cavaleiro da Trevas. Nas sombras e temido pela população local, Bruce luta para encontrar o seu propósito. Ele não acredita que suas ações causem alguma mudança no destino da população. Além disso, o personagem ainda “testa” as suas invenções ao lutar contra os criminosos locais. O Batman de Robert Pattinson é inseguro, despretensioso, assombrado pelo passado e carismático o suficiente, sem abandonar o seu humor sombrio.

the batman

Colin Farrell é o vilão Pinguim

Com Bale, Christopher Nolan criou uma versão digna do Cavaleiro das Trevas, que já tem certa confiança ao assumir o manto do herói e uma estrutura e aliados certos para sua empreitada (mesmo que perca tudo isso no terceiro filme da franquia). Aqui, Bruce Wayne está isolado, sem amigos, vivendo a amargura de não encontrar um meio de honrar o legado do pai. O personagem oscila entre o papel de vigilante e justiceiro, no limite tênue entre fazer justiça com as suas próprias mãos e ou confiar nas instituições.

Outro acerto do filme é o desenvolvimento da relação de Bruce e Selina Kyle (Zoë Kravitz). Diferente da proposta interpretada por Anne Hathaway, a Mulher-Gato de The Batman tem sua origem abordada de maneira satisfatória. Exploramos seu passado trágico, as suas motivações e a sua relação com o Batman. Ela não é uma vilã e também não é uma heroína. Tem seu próprio código de conduta e serve de fio condutor para que Bruce encontre a sua própria jornada: de resgatar a esperança de Gotham em dias melhores.

  Mufasa: o novo filme da franquia 'O Rei Leão'

Colin Farrell, como o vilão Pinguim, também surpreende. Ele está praticamente irreconhecível é convincente no papel de um criminoso em busca de ascensão social. Só que, ao meu ver, The Batman não é ainda um filme sobre vilões. Por isso, a escolha de Paul Dano como Charada é um tanto decepcionante. O ator e abordagem escolhida não são carismáticos a ponto de fazer o público esquecer de seu percursor. Também, confesso, que os inimigos de Bale são bem mais interessantes e moralmente sem escrúpulos do que apresentado neste primeiro filme de Matt Reeves. Afinal, como esquecer da Heath Ledger como Coringa em O Cavaleiro Das Trevas, que levou o Batman a quase comprometer os seus princípios. Ainda há esperança neste quesito. O filme introduz o surgimento de um novo vilão em seus minutos finais, interpretado por Barry Keoghan (Eternos, dos filmes da Marvel).

Com sua risada distinta, descobrimos que o prisioneiro de Arkham é o notório inimigo do Batman. Embora não temos uma visão clara dele, parece que o ator usa próteses para alterar dramaticamente o seu rosto. A sua estreia está marcada para um possível segundo filme da franquia.

Uma coisa é certa: o futuro de Robert Pattinson como o herói de Gotham é muito promissor.

Inscreva-se
Notificação de
guest

0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários