The Mentalist e a jornada de Jane pela redenção
Crítica

The Mentalist e a jornada de Patrick Jane pela redenção

Por 3 de março de 2015 abril 22nd, 2016 2 Comentários

 

spoilerPatrick Jane não demorou muito para conquistar a audiência americana e o mundo. Interpretado por Simon Baker, o personagem exibiu um charme melancólico e uma astúcia invejável durante os sete anos em que The Mentalist esteve no ar. Mas o que acontece quando você retira um dos principais ingredientes da fórmula de sucesso do seriado? Quem é, afinal, Jane sem Red John?

Confira o trailer da sétima temporada de The Mentalist

A resposta veio na última temporada da atração, que explorou um lado desconhecido do protagonista. Longe dos pesadelos que o atormentavam, o “mentalista” buscou um recomeço ao lado da colega, Teresa Lisbon (Robin Tunney), e uma carreira no FBI. Sem o drama pessoal para atormentá-lo, os episódios acabaram por ficar previsíveis e um tanto sem graça.

Utilizando o formato usual dos romances policiais, em que um caso é apresentado e resolvido ao decorrer do mesmo capítulo, The Mentalist não escapou da narrativa morna e previsível. E nem mesmo a morte da detetive Michelle Vega, recém-chegada à equipe, conseguiu abalar isso.

The Mentalist

Novo recomeço para Patrick Jane, que conquistou a sua redenção

Para os fãs da série, o melhor consolo talvez seja o final. Depois de caçar um serial killer muito semelhante ao antigo assassino de sua família, Jane casou-se novamente e agora espera pelo nascimento de um novo filho.  Grace Van Pelt e Wayne Rigsby retornaram à atração para completar a visão água com açúcar da conclusão planejada pelo criador Bruno Heller.

Como um todo, o seriado deve ser considerado vitorioso em sua trajetória. Afinal, cumpriu o que prometeu: mostrou a redenção de um personagem que vivia atormentado pela culpa de ser o responsável pela morte de sua família.

O sucesso da narrativa, é claro, deu-se principalmente pelo roteiro ágil e pela personalidade carismática de Baker. Com certeza, a perturbadora cara feliz desenhada de sangue, ainda será relembrada por muitas décadas na história da TV. Somente isso, é um trunfo.

Julia Benvenuto

Julia Benvenuto

Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e pós-graduada em Jornalismo Cultural pela FAAP. É autora da tese "A Revolução dos Losers: como o seriado americano Glee representa a juventude do século 21".

2 Comments

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do POP SÉRIES. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O POP SÉRIES poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.