Skip to main content

 

Continua após a publicidade..

spoiler

O personagem mais controverso de Z Nation, Murphy, já conseguiu despertar sentimentos confusos nos telespectadores da série.

Continua após a publicidade..

A única cura para livrar a humanidade do vírus zumbi enfrentou desafios inesperados na segunda temporada: foi caçado, viu dois de seus colegas morrerem (Mack e Cassandra) e ganhou uma filha.

O Pop Séries! conversou com exclusividade com o ator Keith Allan, que revelou novidades dos próximos episódios do drama zumbi. Ele também comentou sobre o carinho dos fãs brasileiros: “Mande meus agradecimentos para eles, que têm sido incríveis nas redes sociais. Não vejo a hora de visitar vocês.”

Acompanhe notícias da segunda temporada de Z Nation

Confira:

POP SÉRIES! – No episódio desta sexta-feira (30) vocês tiveram a participação de George R. R. Martin, autor de Game of Thrones. O que você pode contar sobre o capítulo?

KEITH ALLAN – É tudo sobre os fãs fanáticos. Neste episódio, tem um homem que é fã do gênero de zumbi, mesmo antes do apocalipse acontecer. Ele é chamado de “O Colecionador” e ele colecionava livros, filmes e posters, mas agora está atrás de zumbis reais. É como um zoológico, é realmente estranho e assustador.

* Murphy é pai agora. Como “Little Miss Murphy” mudará o seu comportamento?

KA – É a primeira vez, em muito tempo, que Murphy tem alguma coisa com que se importa. De alguma forma, acho que isso o deixa menos egoísta e também mais protetor. Acho que agora ele tem um propósito, uma razão, para fazer a vacina funcionar porque ele tem alguém que depende dele. Quando o grupo tentou tirar a minha filha de mim criou uma grande divisão entre nós. E eu conversei muito com os roteiristas sobre isso: “Você não pode colocar no script que eles querem pegar a minha filha, por qualquer razão que seja, e nós seremos amigos depois disso”.

Confira vídeo com prévia da participação de George R. R. Martin

* Você acha que Murphy se sente culpado pela morte de Mack?

KA – Não acho que ele se sinta culpado. Penso que este é o apocalipse e as pessoas estão morrendo a todo momento. Se você lida com toda morte como algo pessoal, não vai conseguir sobreviver. Acho que ele lamenta a sua morte, mas não se sente responsável por isso. Ele está fazendo o seu melhor para sobreviver ao apocalipse como todo mundo.

Z Nation

Mortes de Cassandra e Mack prometem mudar a dinâmica do grupo na segunda temporada

* Como esse evento mudará a dinâmica do grupo?

KA – Há várias coisas, as mortes de Mack e Cassandra, que nos levará um contra o outro de certa forma. Neste ponto, todos estão cansados e incertos se estão fazendo a coisa certa, mas a única opção que temos é continuar em frente. Com a divisão que existe entre nós, fica difícil ser otimista.

* A cura chegará a Los Angeles ou a outro local de pesquisas?

KA – Bom, nós estávamos distraídos nestes últimos episódios. Conseguimos ultrapassar um pouco da fronteira. O que posso falar é dos “Zeroes”, que pertencem ao cartel de drogas mexicano. Eles têm a sua própria missão e acabamos ficando frente a frente com essa tribo. São pessoas impiedosos e trazem novos problemas.

* O apocalipse é uma tendência na TV americana hoje. Como é participar de um show como Z Nation?

KA – Sempre fui um fã do sobrenatural e do gênero de terror. E os fãs são loucos… e tão comprometidos. É realmente legal ser considerado parte deste mundo e ter pessoas criando fãs clubes para o show. Quanto a participar de [Z Nation], é muito difícil.  Fico sujo e cansado todo o tempo.

Elenco de Z Nation promove série na Comic-Con 2015

* E como é trabalhar com zumbis?

KA – É divertido. As pessoas vão embora ainda maquiadas. Teve uma garota que foi vestida para casa só para assustar todo mundo. É um trabalho duro, às vezes você é um zumbi e seu papel é estar morto e, então, você fica coberto de sangue em um sol quente. Você nunca sabe o que vai ter que fazer.

 

 

 

 

Organize sua maratona com o nosso Planner!

Julia Benvenuto

Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e pós-graduada em Jornalismo Cultural pela FAAP. É autora da tese "A Revolução dos Losers: como o seriado americano Glee representa a juventude do século 21".